Rock news

Notícias do mundo do Rock.
13 julho 2018

Serj Tankian e John Dolmayan rebatem entrevista de Daron Malakian e cobrança por um novo álbum do System of a Down

Serj Tankian precisou se pronunciar publicamente de uma possível acusação. O vocalista do System of a Down foi responsabilizado pela falta de álbuns da banda em uma entrevista concedida pelo próprio guitarrista à revista britânica Kerrang!

São 13 anos sem nada de inéditas e para Daron Malakian, Serj é um dos culpados. Senão o maior – pelo menos foi o que todos entenderam depois da declaração do músico. “Tem um que não quer fazer um disco, mas nem todos estão no mesmo barco. Não quero derrubar Serj – ele é meu amigo e alguém que eu gosto muito – mas não sei o que o fez mudar de ideia. Nós todos sentamos e tivemos encontros, e ele disse claramente o que pensava (…) Talvez isso nunca se resolva”, disse.

Sempre discreto, Serj Tankian usou a sua conta pessoal no Facebook para rebater. Segura o textão batizado de “Confissões do SOAD por Serj Tankian”:

“Nós somos extremamente sortudos pelos nossos fãs quererem um álbum da nossa equipe desajustada depois de todos esses anos, e isso exige tempo. Isso, é claro, levou a vários rumors sobre a banda e a nossa incapacidade de gravar um álbum juntos, juntamente com trechos de entrevistas no passado e presente às vezes tratadas com sensacionalismo pela mídia que não está, vamos dizer, mudando o mundo para o bem.

Então eu vou tentar esclarecer as coisas de uma vez pelo bem de todos, esperançosamente, sem difamar ninguém no processo.

A verdade é que eu e só eu fui responsável pelo hiato que o SOAD teve em 2006. Todo mundo queria continuar no mesmo ritmo, fazer turnês e discos. Eu não. Por que? Por várias razões.

1. Artística: sempre senti que continuar fazendo a mesma coisa com as mesmas pessoas por muito tempo é artisticamente redundante até para uma banda dinâmica como a nossa. Naquela época, senti que eu precisava de tempo para fazer meus próprios trabalhos. Eu não estava desconsiderando recomeçar o processo com a banda depois.

2. Igualitarismo: quando começamos, nossas responsabilidades e receitas financeiras dentro da banda eram quase iguais. Na época de ‘Mezmerize/Hypnotize’, nós estávamos em lados opostos com Daron controlando o nosso processo criativo e fazendo a maior parte de divulgação, sem mencionar em ser o único a querer fazer entrevistas.

3. Eu queria deixar a banda antes de ‘Mezmerize/Hypnotize’ por essas razões. É por isso que pessoalmente não me sinto tão próximo das músicas desses álbuns. Havia músicas que eu queria trazer, mas era difícil por promessas não cumpridas juntamente com minha passividade na época.

O tempo passou, todos nós fizemos nossos próprios trabalhos. Minha carreira solo me deu confiança como compositor e de revisitar o SOAD com uma postura forte apenas para fazer uma turnê e aproveitar a companhia uns dos outros, o que fizemos e ainda fazemos.

Sabia que eles queriam fazer um álbum, mas considerando o passado eu estava hesitante. Às vezes havia explosões emocionais de um membro da banda ou outro me culpando pela inatividade. Depois de muito tempo pensando e processando, cerca de dois anos atrás, eu entreguei aos caras uma proposta de um caminho a seguir. Queria corrigir os erros do passado e estabelecer uma nova maneira de sermos felizes, então recomendei o seguinte:

1. Igual contribuição criativa: nesta época eu havia lançado cinco dos meus discos e era um melhor compositor e Daron estava melhorando como letrista, então disse que cada um trouxesse seis músicas que todos aprovassem e trabalhemos nelas juntas ou riffs do Shavo.

2. Divisão de finanças igualmente: pessoalmente acredito uma banda é igualitária e as finanças devem refletir isso.

3. Corte do diretor: quem escreveu a canção toma a decisão final depois de esgotar todas as ideias dentro do grupo. Eu fiz isso porque no passado, eu trazia uma música que era transformada em algo que eu não queria.

4. Desenvolver um novo conceito ou tema pra que não seja apenas um registro e sim uma experiência completa.

(Obviamente estou omitindo muitos outros detalhes como concordar com o ‘som’ do novo álbum que não conseguimos fazer já que ficávamos indo e voltando nas minhas músicas e nas do Daron. Eu lembro de enviar várias notas nas músicas do Daron, principalmente do ‘Scars on Broadway’, que eu não considero aplicável ao SOAD etc)

Por último, tive que desenhar uma linha na areia porque sabia que nunca poderia ser feliz fazendo as coisas como elas eram antes. Como não podíamos ver olho no olho todos esses pontos, dedicimos deixar de lado a ideia de um álbum por enquanto.

Meu único arrependimento é que nós não conseguimos coletivamente lhe dar um novo álbum do SOAD. Por isso peço desculpas.

Obrigado por lerem”

O texto na íntegra em inglês está logo abaixo.

John Dolmayan também se pronunciou. Para o baterista, a falta de um álbum inédito do SOAD é de responsabilidade igualmente de todos. “Muitas teorias e especulações circularam nos últimos anos focando em um único integrante da banda como o responsável pela falta de material. Toda ação tem uma reação e a verdade é que cada um membro da banda é igualmente responsável tanto pelo nosso incrível sucesso dos nossos antigos álbuns e pela inacreditável falha de se fazer música juntos. Não um de nós. Todos nós somos responsáveis”, escreveu no Instagram.

Fonte: Portal Rockline