Rock news

Notícias do mundo do Rock.
15 maio 2018

Ozzy Osbourne – Allianz Parque, São Paulo – SP

13 de maio de 2018

Texto por Otávio Juliano – Instagram @showsbyotavio

Foto: Ross Halfin

O clima era de despedida, como o próprio nome da turnê dizia: “No More Tours” (em português, “Sem Mais Turnês”). O artista principal da noite dispensava apresentação e trazia na bagagem 50 anos de dedicação total ao Heavy Metal, dos quais parte deles com a banda Black Sabbath, considerada pioneira no quesito música pesada.

Provavelmente para muitos dos milhares de fãs que estiveram presentes no Allianz Parque o enredo da apresentação era bem conhecido, sem grandes novidades. Os movimentos do Ozzy, as corridas em passadas curtas pelo palco, as falas, os pedidos de palmas, nada disso talvez fosse novidade para o público. Mesmo assim, tudo foi incrível de se ver. E, ao que tudo indica, pela última vez em São Paulo.

O Príncipe das Trevas, como também é chamado, subiu ao palco pontualmente às 21:30hs, após a execução de um curto vídeo com imagens das diversas fases do Madman (outro apelido de Ozzy) e trilha sonora com trechos das canções de sua carreira.

Logo de cara o que se viu foi um lindo e gigante cenário, montado com dois telões ao centro, divididos por um crucifixo, que mudava de cor ao longo do show. Soma-se a isso um jogo de luzes incrível, efeitos especiais nas imagens dos telões e tudo ficou ainda mais bonito de se vivenciar.

Já no fim da primeira canção da noite, “Bark At The Moon”, Ozzy foi recepcionado pela plateia com o coro de “Ole, Ole, Ole, Ole, Ozzy, Ozzy”. Os fãs ansiavam por esse retorno do mestre ao país e a banda tocou exatamente o que se esperava dela: sucessos seguidos de sucessos.

“Mr. Crowley”, “Suicide Solution”, as rápidas e cheias de riffs “I Don’t Know” e “Crazy Train”, além das belas “No More Tears” e “Road to Nowhere”, foram algumas das escolhidas pelo Madman para o set. Sem falar dos imortais clássicos “War Pigs” e “Paranoid”, ambas do Black Sabbath.

Seu fiel escudeiro Zakk Wylde não ficou atrás, dando um show à parte no comando das seis cordas. Por mais que se ouçam algumas críticas ao guitarrista e que em momentos o som da sua guitarra tenha ficado muito baixo, é inegável que Zakk é um músico sensacional ao vivo e hoje é praticamente inconcebível imaginar Ozzy ao vivo sem ele ao lado. Com seu visual de homem das cavernas e seu jeito hipnotizante de tocar, Wylde enlouqueceu os fãs e inclusive desceu à frente da pista, tocando cara a cara com o público.

Foram noventas minutos de show e o tempo passou “voando”. É lógico que cabia mais, afinal canções de sucesso não faltam à carreira de Ozzy. Mas, aos 69 anos, o Madman mostrou que se aposenta em alto nível e se despediu de todos dizendo que não esquecerá da noite vivida em São Paulo.

Certamente, nós é que não vamos esquecer. E digo mais: vamos inclusive torcer para que essa anunciada aposentadoria seja reconsiderada e que o velho Ozzy retorne ao Brasil futuramente para a “No More Tours 3”. Fica a torcida!

Agradecimentos a Julia Mattos Santos (T4F) pela atenção e credenciamento. Fotos de divulgação por Ross Halfin.
(Nota do redator: como não foram liberados fotógrafos, consideramos interessante complementar o texto com fotos de celular).

Set List:

Bark at the Moon
Mr. Crowley
I Don’t Know
Fairies Wear Boots (Black Sabbath)
Suicide Solution
No More Tears
Road to Nowhere
War Pigs (Black Sabbath)
Miracle Man / Crazy Babies / Desire / Perry Mason
Solo Bateria
Flying High Again
Shot in the Dark
I Don’t Want to Change the World
Crazy Train

Bis:

Mama, I’m Coming Home
Paranoid (Black Sabbath)